VANTAGENS EM UTILIZAR AS ESCORAS METÁLICAS

A locação das escoras metálicas é uma opção extremamente indicada para os mais diferentes públicos. As principais vantagens desse tipo de contratação são:

  • SEGURANÇA DURANTE A OBRA: a locação de escoras metálicas pode ser a solução ideal para quem está em busca de uma construção mais segura e com o mínimo de riscos possíveis. Ao implementar essa estrutura em determinada obra, o consumidor garante mais estabilidade ao local que está sendo construído.

  • NIVELAMENTO CORRETO: além de agregar estabilidade para a construção, a locação de escoras metálicas também pode auxiliar os profissionais na hora de nivelar a estrutura. É válido salientar que o nivelamento é fundamental para todos os tipos de obra. É esse processo que elimina qualquer desnível ou irregularidade presente em determinada superfície.

  • ECONOMIA NA MÃO DE OBRA: é importante que o cliente veja a locação de escoras metálicas como um investimento, não um gasto, já que esse aluguel irá permitir uma rapidez maior na execução da obra, fazendo com que os profissionais finalizem seu trabalho com mais agilidade e acabem diminuindo o valor final do serviço.

SAIBA MAIS SOBRE A LOCAÇÃO DE ESCORAS METÁLICAS

Para entender melhor sobre a locação de escoras metálicas, marque um atendimento com a equipe da Nordeste Locações. Os profissionais da empresa são extremamente capacitados e estão à disposição dos seus clientes durante todo o processo de locação do produto. Saiba mais.

Saiba Mais

EDIFÍCIOS PUXAM CONSTRUÇÃO, QUE TEM MAIOR NÍVEL DE ATIVIDADE DESDE 2012

Acompanhar o crescimento da construção tem sido um desafio para aqueles que fazem parte dessa cadeia produtiva. O setor, tão importante para economia, não pode ficar desabastecido de insumos, serviços e mão de obra. A ALAVANCA ANDAIMES E MÁQUINAS, realizou importantes investimento prevendo essa demanda.

A construção, com suas muitas peculiaridades, demanda variados tipos de equipamentos e variados tipos de andaimes. Sobretudo nesse momento em que os edifícios têm sido o destaque no momento. A ALAVANCA, possui mais de 5 tipos de andaimes, estamos corroborando intensamente com essa demanda.

A construção de edifícios puxou a atividade do setor da construção civil, que no primeiro trimestre registrou o maior nível de atividade desde 2012. As informações são da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e foram divulgadas na manhã desta segunda-feira (26).

O Índice de Nível de Atividade da Construção ficou em 48,6 pontos entre abril e junho deste ano, o mais alto desde os 49,1 pontos registrados no segundo trimestre de 2012. Entre os fatores que explicam o resultado estão a demanda consistente por imóveis, as baixas taxas de juros, o incremento do crédito imobiliário, a melhora nas expectativas para a economia e o “novo significado” que a casa própria adquiriu para as famílias desde que a pandemia de coronavírus começou.

Em junho, o índice passou da marca dos 50 pontos pela primeira vez neste ano, alcançando 51 pontos. O segmento de construção de edifícios se saiu melhor que os outros, com 51,5 pontos. O nível de atividade nas obras de infraestrutura (49,8) e nos serviços especializados para construção (49), que também são incluídos no índice da CBIC, ficaram abaixo dos 50 pontos. A superação desse patamar indica uma perspectiva otimista, enquanto a permanência em um nível inferior sugere um cenário mais pessimista.

Na visão dos empresários da construção civil, o principal problema enfrentado no setor é a falta ou o custo elevado das matérias-primas, apontado por 55,5% dos participantes da Sondagem da Indústria da Construção. A carga tributária alta, que costumava ser o primeiro colocado da lista, é o segundo há quatro trimestres, com 31,5% das respostas, seguida pela burocracia excessiva, com 21,6%.

Nos 12 meses encerrados em junho, o Índice Nacional da Construção Civil (INCC) – indicador de inflação do setor calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) – acumulou alta superior a 17%. Enquanto o componente da mão de obra subiu 7,74% no período, o de materiais e equipamentos avançou 34,09%. Foi o maior patamar em toda a série histórica do INCC, iniciada em 1997.

“Esse é um fato que ninguém poderia esperar, causando um profundo desarranjo entre vários elos da cadeia produtiva”, disse José Carlos Martins, presidente da CBIC. Tubos e conexões de ferro e aço, cujos preços avançaram 91,66% em 12 meses, tiveram a maior contribuição na inflação da construção civil. Em segundo lugar estão os vergalhões e arames de aço ou carbono (78,37%), os condutores elétricos (76,21%) e os tubos e conexões de PVC (64,92%).

A disponibilidade de crédito imobiliário tem sido um dos principais indutores para o setor neste ano. As linhas vinculadas ao funding da caderneta de poupança somaram financiamentos de R$ 97 bilhões no primeiro semestre, um recorde e mais que o dobro do verificado no mesmo período do ano passado.

Já os financiamentos que partem dos recursos mantidos no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), voltados para as famílias de menor renda, estão diminuindo desde 2018. No primeiro semestre de 2021, somaram R$ 25 bilhões, 6,52% menos do que o verificado no mesmo período do ano passado.

Na visão de Martins, isso resulta de “erros” dos últimos governos ao permitir que os trabalhadores realizassem mais saques nas suas contas do FGTS, o que resultou em um volume menor de recursos no fundo passíveis de serem utilizados pela construção civil. “Com isso, a baixa renda perde a capacidade de compra de um imóvel”, disse. (Fonte Infomoney – Mariana Segala)

Saiba Mais

5 DICAS PARA DIMINUIR OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO DA SUA CASA

Construir a própria casa é o sonho de muitos – afinal de contas, ver o projeto que a família escolheu e ajudou a compor sair do papel é mais do que satisfatório. Ainda assim, mesmo com toda a empolgação, existem alguns pontos que devem ser avaliados com cuidado bem antes de se iniciar a obra.

Para fazer uma boa economia e diminuir os custos com a construção de maneira significativa, o planejamento é uma das partes mais importantes, já que ele será o momento de definir todos os gastos e traçar alternativas para continuar poupando mesmo após a mudança.

Se você tem dúvidas sobre como reduzir as despesas na construção de sua casa, fique atento às dicas que separamos e não se esqueça que a locação de andaimes, máquinas e equipamentos serão fundamentais para uma construção com segurança e economia por isso pode procure!

Planeje bem o projeto: a economia já começa antes da obra

O primeiro ponto é a escolha do engenheiro e do arquiteto responsáveis. A função do arquiteto é a de projetar o esquema arquitetônico, hidráulico e elétrico. Posteriormente, entra em cena o engenheiro, que fará os cálculos necessários e se certificará de que tudo seja feito conforme as especificações do projeto.

Antes de começar a obra, também é preciso atentar para o tipo de terreno e fazer as adequações necessárias no projeto. Caso seja um terreno irregular, o estudo serve para indicar se é possível construir sem ou com terraplanagem. A solidez do solo também é um ponto que deve ser avaliado, a fim de que os alicerces da casa fiquem em terra firme. Estas são medidas que já representarão uma boa economia, pois ter que fazer alterações no plano depois da obra ter sido iniciada significa maiores gastos.

Neste momento, é preciso salientar ao arquiteto e ao engenheiro que seu objetivo é não gastar além do limite. Ressalte o valor que tem disponível para financiar a empreitada e fique atento às especificações pedidas. Pedir um cronograma com todas as etapas da construção é um ponto interessante que também  poupará gastos no futuro. Você saberá em quanto tempo precisará pagar os pedreiros e pintores, por exemplo. Peça também indicações de lojas de material de construção e de profissionais que não cobrem muito caro.

Poupe comprando tudo de uma vez

Com o projeto da casa em mãos, você já poderá elaborar a lista de materiais que precisa comprar. Ferragens, cimento, tijolos, tubulação, torneiras, dentre tantos outros itens: não deixe para escolher depois, separe um tempo e faça todas as compras de uma só vez. Isto vai garantir que você consiga melhores condições nas lojas de material de construção e home centers, já que esta será uma grande compra. Lembre-se de que é sempre melhor pagar à vista e que muitas destas lojas oferecem descontos para quem opta por esta modalidade.

Faça escolhas conscientes de telhado, portas e janelas

O telhado, as portas e as janelas costumam ser os itens mais caros da lista de materiais. Por isso, você deve pesquisar bastante sobre quais são as melhores opções para o espaço. Considere planejar cômodos que podem se conectar através de um vão de porta para não ter que adquirir tanto material. Para poupar ao comprar as janelas, prefira os modelos feitos em alumínio e que não precisem de estrutura adicional para serem instalados.

O telhado também é uma das partes que mais exige despesas. Isto porque deve ser feito com telhas resistentes e a mão de obra especializada geralmente é cara. Ao optar por telhas de baixa qualidade e por conseguinte, mais baratas, você acaba adiando as dores de cabeça. Uma vez que o período de chuvas chegar, elas poderão sair do lugar e quebrar, fazendo com que  o trabalho precise ser refeito.

Projeto hidráulico inteligente

Ao dispor os banheiros, área de serviço e cozinha em uma área específica, será possível economizar na hora de comprar as tubulações. Com esta medida, serão usados comprimentos menores de tubos, o que garantirá uma alta economia. Caso não seja possível posicionar todos estes cômodos em uma mesma área da casa, escolha alinhar ao menos os banheiros – suas despesas já serão reduzidas de maneira significativa.

Atenção para economizar com os acabamentos

É possível encontrar inúmeras alternativas de acabamentos que ficam em conta no mercado. Os mais simples cumprem bem a função e atendem às normas técnicas perfeitamente. O uso de tinta é reduzido quando não se usa a massa acrílica e se aplica somente um selador e depois os dois principais tipos de tinta, a acrílica e a PVA.

Para os pisos, também existem opções que não pesam no bolso, como o cimento queimado. Se você prefere um piso que não retenha tanto calor, considere usar a cerâmica em toda a casa. Este material é indicado principalmente para regiões de altas temperaturas, já que a instalação de um piso frio ajuda a casa a não reter calor. Se quiser optar pela madeira, prefira os pisos laminados, que podem ser limpos facilmente, não precisam de aplicações de sinteco e podem ser facilmente removidos no caso de uma mudança.

Saiba Mais

OTIMIZE SUA OBRA COM A MINIGRUA

Dentre os vários produtos de içamento, destacamos hoje a minigrua. Na hora de alugar você vai receber toda consultoria do nosso time.

A Mini Grua 500 kg MG é um equipamento para içamento de cargas com capacidade para até 500 Kg. Possui botoeira, controle com chave de emergência e sensor fim de curso que evita que o motor continue atuando ao alcançar o ponto máximo, para não forçar o mecanismo e não sobrecarregar o motor.

Esse equipamento é uma versão menor de um guindaste tradicional, e que possui uma capacidade de elevação específica. Porém, não deixa de ser um item extremamente importante para o ramo da Construção Civil.

A Mini Grua é um equipamento flexível e funcional, podendo resolver diversos problemas de elevação de cargas em um canteiro de obra.

Além disso, ela oferece um ganho em produtividade para as construções. Com uma Mini Grua é excelente para atuar em áreas menores, principalmente em locais onde um guindaste maior não consegue chegar.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

– Operação Silenciosa

– Capacidade: 500kg (lança fixa)

– Capacidade:500kg / 250kg / 150kg (lança extensível)

– Lança: 1,45m, extensível até 1,90m

– Guia para Enrolamento do Cabo

– Leme Articulado para a segurança do operador.

– Cabo de Aço: 50m ou 100m

– Voltagem Trifásica 220v ou 380v

– Fixação de 3 pontos

– Giro 360º em torno do Eixo Central

– Sensor Fim de Curso

– Rolamento Blindado (Contrapeso c/ distorcedor e c/ rolamento interno)

– Botoeira (Controle com fio e sem fio)

– Peso: 247kg

– Potência do motor 2CV ou 3CV c/ Motofreio e Motoredutor

Estamos prontos para atendê-los, fale conosco.

 

Saiba Mais

OPA! MUDANÇAS  DAS NRs 1, 7, 9 E 18 ENTRAM EM VIGOR EM AGOSTO DE 2021

Acompanhando os movimentos do setor da construção a ALAVANCA ANDAIMES E MÁQUINAS, está atenta as novas mudanças da Normas Regulamentadoras. Vamos então acompanhar ou que muda a partir de agora.

Com a criação das Normas Regulamentadoras em 1978 e com as constantes mudanças do mercado de trabalho, as NRs precisaram passar por inúmeras alterações, sempre visando a melhoria constante dos processos e a segurança total dos trabalhadores. Em 2020 não foi diferente. As NRs 1, 7, 9 e 18 foram atualizadas entre fevereiro e março e, a partir de um consenso da Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP), formada por trabalhadores, empregadores e governo federal, a efetivação das atualizações acontecerá somente em 1° de agosto de 2021.

A prorrogação da vigência das atualizações das Normas Regulamentadoras deu-se a em razão da Covid-19 e da necessidade de revisar todas as mudanças a partir dos efeitos da pandemia.

Entenda melhor o objetivo e as modificações das NRs.

NR 1

O objetivo desta norma é estabelecer as disposições gerais, o campo de aplicação, os termos e as definições comuns às Normas Regulamentadoras – NR relativas à segurança e saúde no trabalho e as diretrizes e os requisitos para o gerenciamento de riscos ocupacionais e as medidas de prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho – SST.

A partir das mudanças realizadas, a NR1 passa a exigir a elaboração de um Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) e estabelece novas regras para a avaliação dos perigos e riscos dentro do ambiente de trabalho, bem como um plano de emergência de acordo com o Corpo de Bombeiro.

Além disso, outra mudança muito importante é a diferenciação de tratamento entre empresas MEI, ME e EPP. De acordo com a atualização, o MEI não precisa realizar o PGR, assim como as empresas ME e EPP com risco grau I e II que não possuam riscos ambientais físicos, biológicos e químicos.

A NR1 atualizada também estabelece as diretrizes e requisitos para ensino a distância e semipresencial.

NR 7

Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece princípios e procedimentos para o desenvolvimento do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional nas organizações, com o objetivo de proteger e preservar a saúde desses trabalhadores, em relação aos riscos gerados pelo trabalho.

As mudanças da NR7 dizem respeito às obrigações relacionadas ao PGR e que, a partir de 1° de agosto, o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) poderá ter como responsável um médico que não seja da área da segurança do trabalho.

Além disso, a NR traz mudanças relacionadas ao tipo de empresa – MEI, ME e EPP. As empresas que não têm obrigação de elaborar o PCMSO, de acordo com a NR1, “devem realizar e custear exames médicos ocupacionais admissionais, demissionais e periódicos, a cada dois

NR 9

Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

A principal alteração da NR9 foi em relação ao Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA) e ao PGR. O PPRA deixa de ser obrigatório e quem ganha espaço e obrigatoriedade é o PGR, conforme a NR1. O Programa de Gerenciamento de Riscos será mais técnico, estabelecendo as metodologias aplicadas aos riscos físicos, biológicos e químicos.

NR 18

Esta Norma Regulamentadora – NR tem o objetivo de estabelecer diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que visam à implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção.

A NR18 foi a norma que mais recebeu alteração, com redução de 40% de suas diretrizes. Ela passou a dar mais liberdade aos trabalhadores, com total responsabilidade e segurança. Dentre todas as mudanças estão:

Obrigatoriedade das construtoras elaborarem um Programa de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais no lugar do Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria de Construção Civil (PCMAT);

Itens em duplicidade com outras NRs foram transferidos para as NRs que apresentam mais compatibilidade;

A atualização apresenta um quadro com carga horária mínima para cada atividade exercida dentro de uma obra;

Trabalhos com grandes soldagens ou impermeabilizações necessitam do acompanhamento de um profissional de segurança.

Saiba Mais

CHEGA DE GAMBIARRA, MAS DE 400 PROFISSIONAIS MORREM POR CHOQUES ELÉTRICOS

Um dos locais mais perigosos para acidentes por choque elétrico é o canteiro de obras. Segundo relatório da Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade), entre 2013 e 2020, 446 profissionais da construção civil (pedreiros e ajudantes) perderam suas vidas em acidentes dessa natureza.

Isso acontece porque muitas construções não atendem aos requisitos mínimos de segurança estipulados pelas normas vigentes no Brasil. São as famosas “gambiarras” que colocam em risco a vida desses profissionais, seja por um conformismo do tipo “isso nunca vai acontecer comigo” ou mesmo por economia com equipamentos de segurança.

A principal delas é a utilização de um quadro de tomadas para canteiros de obras. Ele fornece a segurança necessária para que os profissionais possam trabalhar com tranquilidade, pois é feito dentro das normas de segurança estabelecidas pela lei e possui dispositivos que evitam a grande maioria dos tipos de acidentes.

Estes painéis têm a proteção feita por disjuntores que “desarmam” a qualquer indício de sobrecarga ou curto-circuito. Ainda, eles podem ter o acréscimo de mais dispositivos que aumentam a segurança, como o DR (Diferencial Residual) e o DPS (Dispositivo de Proteção contra Surtos), que conduzem ao sistema de aterramento surtos causados por sobretensões.

A ALAVANCA ANDAIMES E MÁQUINAS, orienta seus clientes quanto a montagem de andaimes próximos a redes de energia bem como a utilização de equipamentos elétricos. Nossos profissionais são treinados e certificados pelas Normas Regulamentadoras 10, 12 e 18. Fazemos parte dessa importante cadeia portanto nos sentimos responsáveis. Nossa premissa será sempre o cuidado com vidas tendo com alicerce as NRr.

 

Saiba Mais
Salve nosso catálogo de equipamentos
Download