O concreto, como todo material usado na construção civil, é suscetível a uma série de problemas que reduzem sua durabilidade e resistência. Por isso, pesquisadores holandeses da Universidade de Delft, chefiados pelo microbiólogo Henk Jonkers, desenvolveram o chamado bioconcreto ou concreto vivo.

O grande diferencial do bioconcreto para os outros tipos de concreto é que ele se regenera sozinho e é totalmente inspirado na natureza.

COMO FUNCIONA O BIOCONCRETO

A solução para a auto regeneração do concreto veio diretamente da biologia, mais precisamente do estudo das bactérias.

A ideia era utilizar bactérias dormentes que fossem capazes de sobreviver a um ambiente de alto pH,  como é o caso do concreto. Elas deveriam também possuir a característica de serem ativadas quando detectassem presença de umidade no ambiente. Ou seja, elas deveriam despertar quando houvesse fissuras ou rachaduras na estrutura que permitissem a entrada de água.

Como se percebe, as bactérias têm uma função fundamental no bioconcreto. Mas claro, não poderia ser qualquer bactéria. As bactérias utilizadas no concreto vivo deveriam ser aquelas que eliminam calcário como produto de sua digestão. E, como você já pode imaginar, é justamente esse calcário que vai preencher o espaço aberto nas fissuras ou rachaduras.

No mais, essas bactérias devem ainda ter a capacidade de sobreviver em um ambiente com alto pH e para isso ela devem formar endósporos, uma espécie de proteção que permite que elas permaneçam inativas por longos períodos.

Interessante, não? A partir dessas premissas, os cientistas partiram em busca de uma espécie de bactéria que fosse capaz de desempenhar essa função de regeneração do concreto. Após algum tempo, ela foi encontrada na Rússia, em lagos que possuem um alto pH e em crateras de vulcões ativos.

E aqui, vale destacar um dado surpreendente: essas bactérias formam esporos e podem sobreviver por mais de 200 anos nas construções.

Como é feita a regeneração do concreto

Quando existem danos como rachaduras, a estrutura interna é exposta à umidade. E isso, por sua vez, ativa as bactérias. Quando elas “acordam”, passam a consumir o lactato de cálcio da mistura. Como resultado da digestão, elas liberam calcário que ocupa o espaço aberto pela rachadura. E detalhe: tudo isso ocorre em um prazo médio de três semanas.

O bio-concreto pode recuperar rachaduras de qualquer comprimento. Porém, com uma largura máxima de 0.8 milímetros.

Custos do bioconcreto

Um dos objetivos do bioconcreto é diminuir o custo de manutenção de construções. Porém, o custo para implementar essa tecnologia é muito alto. Seu custo de produção na Europa é quase o dobro do custo do concreto comum.

Em contrapartida, a vida útil de 200 anos da bactéria é uma grande vantagem competitiva. Afinal, isso reduz consideravelmente os custos de manutenção e é altamente sustentável.

Como se sabe, cerca de  7% das emissões de dióxido de carbono no mundo são causadas pela fabricação de cimento. Mas, com o uso de um material que se regenera sozinho, a produção de cimento poderia ser reduzida. Com um material que se auto regenera, parte dessa produção seria reduzida.

Gostou de saber mais sobre o bioconcreto ou concreto vivo? Então, não deixe de acompanhar o blog da ALAVANCA ANDAIMES E MÁQUINAS, empresa com expertise no segmento de aluguel de andaimes máquinas e equipamentos, ou seja, nossa companhia está alinhada com o setor da construção civil, com suas tecnologias bem como suas demandas…